Início/ENVOLVA-SE/Artigo

out 14, 2022 278 0 Graziano Marcheschi, USA
ENVOLVA-SE

ESPERANDO MILAGRES

Eles acontecem todos os dias, mas raramente notamos…

Quero contar duas histórias sobre graças, graças maravilhosas que vieram exatamente quando eu precisei, na verdade, exatamente quando pedi. Acho que essas experiências de graça foram milagrosas, e antes de compartilhá-las com você, gostaria de refletir um pouco sobre milagres.

As pessoas dirão a você que milagres não acontecem sempre que pedimos… e elas estão certas. Milagres não acontecem sempre que pedimos. Mas Jesus nos diz para pedir, e promete que se pedirmos, receberemos (Mateus 7,7). Acredito firmemente que quando pedimos, Deus nos ouve e nos dá o que realmente necessitamos.

Precisamos reconhecer que milagres são um mistério que transcende a compreensão humana. Temos vislumbres, temos intuições, mas nunca poderemos entender ou explicar completamente o funcionamento da graça de Deus manifestada como “milagres”.

EU NÃO TENHO NADA!

Muitos zombam da noção de que “se pedirmos” nós “receberemos”. “Eu pedi e não recebi nada”, alguns dirão. Isso aumenta o mistério. Jesus realizava milagres, mas Ele não curou todos em Israel. Milhões vão a Lourdes, mas poucos milagres estão documentados. Podemos dizer que as pessoas não pedem “corretamente” ou não precisam do que pedem? Não! Só Deus vê o coração; não podemos julgar.

Mas minha experiência e a de muitos outros confirma que Jesus falou a verdade quando Ele nos disse para pedir e esperar uma resposta de Deus, nosso Pai. Então, eu acredito em milagres, que são simplesmente manifestações da graça de Deus, às vezes de forma dramática e às vezes nem tanto, às vezes tão óbvios que qualquer um pode reconhecê-los e outras vezes tão sutis e disfarçados como “uma coincidência” que só os olhos de fé podem percebê-los.

Milagres devem ser esperados, como as crianças esperam que suas mães as alimentem quando estão com fome. Mas as crianças não podem controlar o menu. As mães decidem o cardápio, caso contrário, as crianças comeriam guloseimas todas as noites. Mães nunca se cansam de alimentar seus filhos. Da mesma forma, Deus nunca se cansa de nossos pedidos e, como nossas mães, Ele nos dá o que precisamos e não os lanches que queremos.

Milagres não são truques de Deus para que possamos nos gabar: “Olha o que Deus fez por mim!” Os milagres de Deus atendem aos profundos anseios de nossos corações, lembrando-nos de sempre confiar Nele. Quando Deus nos concede milagres, Ele os usa para apontar para a graça que está ao nosso redor nos momentos comuns da vida — o nascer do sol de cada dia, uma mão estendida em um pedido de desculpas, um abraço de perdão, um ato de altruísmo. Somente se reconhecermos os milagres comuns da vida poderemos esperar ver os extraordinários.

Milagres constroem a fé, não a substituem. Quando estamos constantemente vendo milagres, não precisamos de muita fé. Mas quando Deus está em silêncio e as bênçãos óbvias são retiradas, temos a oportunidade de viver nossa fé mais profundamente. É por isso que podemos ver mais milagres quando somos novos na fé do que quando amadurecemos.

HISTÓRIA  UM

Anos atrás, minha esposa Nancy e eu lecionamos em um Instituto Ministerial de verão localizado em uma grande universidade católica urbana. Todo verão, nós fazíamos um show de dança e drama que escrevemos e ensaiávamos durante as seis semanas no Instituto. Nossos artistas eram estudantes do Instituto que vinham de todo o país e de todo o mundo. Após cinco anos criando esses comoventes e emocionantes programas, éramos bem conhecidos e respeitados pelos alunos e professores do Instituto. Nós apreciamos essa incrível oportunidade de impactar profissionais do ministério de todo o mundo, pois eles aprenderam conosco como usar as artes cênicas como um recurso poderoso para o ministério e a educação.

Mas antes do nosso sexto verão nos disseram que não dirigiríamos mais nossa produção de verão e fomos convidados a ministrar um curso. Aceitamos e ensinamos nossa classe, contribuímos artisticamente com as liturgias, e tentamos estar o mais “presente” possível, mas não foi a mesma coisa. Sentimos falta do trabalho, da interação, da criatividade e da contribuição única que demos em cada um dos cinco verões anteriores.

Um dia, andando pelo campus, senti-me desanimado com nosso papel diminuído. Entrei em um prédio universitário no extremo sul lamentando ao Senhor que precisava de alguma evidência de que nossa presença era importante, de que ainda fazíamos a diferença. Atravessei o átrio do prédio e, quando saí do lado norte, minha oração foi atendida. Estava parado no topo de uma longa escada quando vi um carro parar de repente na rua abaixo. Com o motor ligado, a motorista saltou e chamou meu nome.

“Oh, Graz”, ela disse, “Estou tão feliz em vê-lo. Eu queria te dizer o quanto estou feliz por você estar aqui no Instituto. Você e Nancy fazem tanta diferença, não seria a mesma coisa sem vocês. Obrigada por tudo que vocês fazem. E com isso, ela entrou no carro e foi embora. “Uau, Senhor”, pensei, “isso foi rápido!”

HISTÓRIA DOIS

Avance uma dúzia de anos. Sou o diretor de um escritório arquidiocesano em Chicago. Estou tendo uma semana difícil, sentindo-me desencorajado e sem saber se estou fazendo o que Deus quer que eu faça. Estou na cozinha do prédio do escritório, lavando meu prato de almoço e rezo: “Senhor, Você costumava me dar pequenos sinais de que estava cuidando de mim, que eu estava fazendo sua vontade… Eu preciso de um desses sinais agora”.

Na manhã seguinte, ainda desanimado, eu decido faltar ao trabalho. É verão, as crianças estão de férias, então eu anuncio: “Papai está de brincadeira hoje. Quem quer ir a um jogo de baseball?” Eu nem sabia se os Chicago Cubs estavam na cidade, mas nós verificamos e eles estavam, e lá fomos nós.

Deixamos as crianças em um dos portões para esperarem na fila dos ingressos e seguimos para estacionar. Estacionar é sempre um desafio no estádio. Ou você estaciona muito longe e caminha, ou paga uma fortuna em um estacionamento. Nenhuma dessas opções é realista, estamos atrasados demais para uma longa caminhada e pagar uma taxa exorbitante de estacionamento destruiria meu orçamento. Eu faço a escolha ridícula de procurar estacionamento de rua.

Inacreditavelmente, bem na frente do portão de entrada há uma vaga em um parquímetro. Por dois dólares vou ter no máximo duas horas, o que significa que vou ter que sair da vaga, pagar o medidor, e voltar para o jogo (não percebi que sair e voltar não é permitido). Quando saio do carro, vejo uma mulher do lado oposto da rua se preparando para sair da vaga de estacionamento. Naquele lado não tem medidores! Eu corro até ela, explico a minha situação e pergunto se ela pode esperar até eu tirar meu carro para colocar na vaga dela. Ela concorda alegremente.

Consegui estacionamento livre a um minuto do estádio. Inacreditável! Nancy e eu corremos para as crianças, onde uma surpresa ainda maior espera. Nossa filha chama animada: “Pai”, ela diz, “temos ingressos grátis.”

“O quê?” Pergunto sem acreditar.

Ela explica: “Um homem perguntou a mim e a Christopher se estávamos indo para o jogo. Eu disse que sim e ele disse que estava aqui com um grande grupo e algumas pessoas não apareceram, então ele me deu dois ingressos. Então eu disse: “E minha mãe e meu pai?”

“Ah, seus pais também estão aqui? Aqui está. Mais dois ingressos.”

Estacionamento e ingressos grátis para um jogo dos Cubs! Deus me deu meu sinal.

De forma objetiva, você pode dizer que tudo o que eu consegui foi uma pequena afirmação na primeira vez e alguns brindes na outra vez. No entanto, o fato de que Deus graciosamente forneceu exatamente o que eu precisava justo quando eu pedi, esse foi o milagre.

Partilhar:

Graziano Marcheschi

Graziano Marcheschi atua como Consultor Sênior de Programação no Shalom World. Ele palestra nacional e internacionalmente sobre temas relacionados a liturgia e artes, escrituras, espiritualidade e ministério eclesial leigo. Graziano e sua esposa Nancy são abençoados com duas filhas, um filho e três netos, e vivem em Chicago.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos mais recentes