Início / Entrevista

mar 29, 2022 274 0 Graziano Marcheschi

ENTREVISTA ESPECIAL: DO CORAÇÃO DA MÃE DE UM SANTO

Uma entrevista exclusiva com Antonia Salzano, mãe do Beato Carlo Acutis por Graziano Marcheschi, Editor Contribuinte da Shalom Tidings

Aos sete anos, ele escreveu: “Meu plano de vida é estar sempre perto de Jesus”.

Aos quinze anos, ele havia se juntado ao Senhor no céu, a quem havia amado durante toda a sua curta vida.

Entre esses dois extremos, está a notável história de um garoto notavelmente comum.

Comum, porque ele não era um atleta de destaque, nem um belo ator de cinema, nem mesmo um estudioso brilhante que terminou a pós-graduação quando outras crianças estão lutando no ensino médio. Ele era um agradável garoto, um bom garoto. Muito inteligente, com certeza: aos nove anos ele lia livros didáticos da faculdade para aprender programação de computadores sozinho. Mas ele não ganhou prêmios, nem influenciou as pessoas no Twitter. Poucos fora de seu círculo sabiam quem era ele – filho único, morando com os pais no Norte da Itália, que ia à escola, praticava esportes, apreciava seus amigos e sabia como manusear um controle de video game.

NORMAL, MAS EXTRAORDINÁRIO

Desde muito jovem apaixonou-se por Deus e desde então viveu com um único foco, com uma fome de Deus que poucos alcançam. E quando ele deixou este mundo, ele deixou uma marca indelével nele. Sempre um menino em uma missão, ele não perdia tempo. Quando as pessoas não conseguiam ver o que ele via, nem mesmo sua própria mãe, ele as ajudava enxergar.

Via Zoom, entrevistei sua mãe, Antonia Salzano, e pedi que ela explicasse a fome dele por Deus, que até o Papa Francisco descreveu como “fome precoce”?

“Isso é um mistério para mim”, disse ela. “Mas muitos santos tiveram uma relação especial com Deus desde tenra idade, mesmo que sua família não fosse religiosa”. A mãe de Carlo fala abertamente sobre ter ido à missa apenas três vezes em sua vida antes de Carlo começar a arrastá-la para Igreja com apenas três anos e meio. Filha de um editor, ela foi influenciada por artistas, escritores e jornalistas, não por papas ou santos. Ela não tinha interesse em questões de fé e agora diz que estava destinada a se tornar uma “cabra” em vez de uma “ovelha”. Mas então veio esse menino maravilhoso que “sempre à frente — falou sua primeira palavra aos três meses, começou a falar aos cinco meses e começou a escrever aos quatro anos”. E em matéria de fé, ele estava à frente até mesmo da maioria dos adultos.

Aos três anos, ele começou a fazer perguntas que sua mãe não conseguia responder – muitas perguntas sobre os Sacramentos, a Santíssima Trindade, o Pecado Original, a Ressurreição. “Isso criou uma luta em mim”, disse Antonia, “porque eu mesma era tão ignorante quanto uma criança de três anos”. Sua babá Polonesa era mais capaz de responder às perguntas de Carlo e falava com ele frequentemente sobre questões de fé. Mas a incapacidade de sua mãe de responder suas perguntas, ela disse, “diminuiu minha autoridade como mãe”. Carlo queria se envolver em devoções que ela nunca havia praticado – honrar os santos, colocar flores diante da Santíssima Virgem, passar horas na igreja diante da cruz e do tabernáculo”. Ela não sabia como lidar com a espiritualidade precoce de seu filho.

O INÍCIO DE UMA JORNADA

A morte inesperada de seu pai de um ataque cardíaco levou Antonia a começar a fazer suas próprias perguntas sobre a vida após a morte. Então, Padre Pio, um santo sacerdote idoso conhecido como Padre Pio de Bolonha, que ela conheceu através de um amigo, a colocou em uma jornada de fé na qual Carlo se tornaria seu principal guia. Depois de contar a ela todos os pecados de sua vida antes que ela os confessasse, Padre Pio profetizou que Carlo tinha uma missão especial que seria de grande importância para a Igreja.

Eventualmente, ela começou a estudar Teologia, mas é Carlo quem ela credita com sua “conversão”, chamando-o de “seu salvador”. Por causa de Carlo, ela passou a reconhecer o milagre que ocorre em cada Santa Missa. “Através de Carlo compreendi que o pão e o vinho se tornam a presença real de Deus entre nós. Esta foi uma descoberta fantástica para mim”, disse ela. Seu amor a Deus e apreço pela Eucaristia não era algo que o jovem Carlo guardava para si. “A especialidade de Carlo era ser uma testemunha”, disse ela, “… sempre feliz, sempre sorrindo, nunca triste. ‘Tristeza é olhar para si mesmo’; Carlo diria, ‘felicidade é olhar para Deus’.” Carlo via Deus em seus colegas e em todos que conhecia. “Porque ele estava ciente dessa presença, ele deu testemunho dessa presença”, disse ela.

Alimentado diariamente pela Eucaristia e Adoração ao Santíssimo, Carlo procurava os mendigos, levando-lhes cobertores e alimentos. Ele defendeu colegas que sofreram bullying e ajudava os que precisavam com deveres de escola . Seu único objetivo era “falar sobre Deus e ajudar os outros a se aproximarem de Deus”.

APROVEITE  O  DIA!

Talvez por sentir que sua vida seria curta, Carlo fez bom uso do tempo. “Quando Jesus veio”, comentou Antônia, “ele nos mostrou como não perder tempo. Cada segundo de sua vida foi para glorificar a Deus.” Carlo entendeu bem isso e enfatizou a importância de viver o agora. “Aprecie o momento! (Aproveite o dia!)”, ele insistiu, “porque cada minuto desperdiçado é um minuto a menos para glorificar a Deus”. É por isso que esse adolescente se limitou a apenas uma hora de videogame por semana!

A atração que muitos que lêem sobre ele sentem instantaneamente é caracterizado em toda sua vida. “Desde que ele era um menino, as pessoas eram naturalmente atraídas por ele – não porque ele era uma criança loura de olhos azuis, mas por causa do que ele era interiormente”, disse sua mãe. “Ele tinha uma maneira de se conectar com as pessoas que era extraordinária.”

Até na escola ele era amado. “Os padres jesuítas perceberam isso”, disse ela. Seus colegas de classe eram garotos competitivos de classe alta, focados em conquistas e sucesso. “Naturalmente, há muito ciúme entre os colegas, mas com Carlo nada disso aconteceu. Ele resolvia essas coisas como mágica; com seu sorriso e pureza de coração conquistou a todos. Ele tinha a capacidade de incendiar o coração das pessoas, de aquecer seus corações frios.”

“Seu segredo era Jesus. Ele era tão cheio de Jesus – missa diária, adoração antes ou depois da missa, devoção ao Imaculado Coração de Maria – assim viveu sua vida com Jesus, para Jesus e em Jesus.

UMA ANTECIPAÇÃO DO CÉU

“Carlo sentiu genuinamente a presença de Deus em sua vida”, disse sua mãe, “e isso mudou completamente a maneira como as pessoas o olhavam. Eles entenderam que havia algo especial nele.”

Estranhos, professores, colegas de classe, um santo padre, todos reconheceram algo único neste menino. E essa singularidade era mais evidente em seu amor pela Eucaristia. “Quanto mais recebermos a Eucaristia”, disse ele, “mais nos tornaremos como Jesus, assim na terra teremos um antegozo do céu”. Durante toda a sua vida fixou seus olhos em Deus e a Eucaristia era a sua “estrada para o Céu… a coisa mais sobrenatural que temos”, dizia ele. Do Carlo, Antonia aprendeu que a Eucaristia é o alimento espiritual que ajuda a aumentar nossa capacidade de amar a Deus e ao próximo – e crescer em santidade. Carlo costumava dizer que “quando estamos de frente para o Sol nos bronzeamos, mas quando estamos diante de Jesus na Eucaristia nos tornamos santos”.

Uma das realizações mais conhecidas de Carlo é seu site que narra os milagres Eucarísticos ao longo da história. Uma exposição desenvolvida a partir do site continua a viajar pelo mundo da Europa ao Japão, dos EUA à China. Além do incrível número de visitantes na exposição, numerosos milagres foram documentados, embora nenhum tão significativo quanto os muitos que trouxe de volta aos Sacramentos e à Eucaristia.

PROCESSO DE SUBTRAÇÃO

Carlo é beatificado e sua canonização está assegurada, na pendência da autenticação de um segundo milagre. Mas Antonia é rápida em apontar que Carlo não será canonizado por causa de milagres, mas por causa de sua vida santa. A santidade é determinada pelo testemunho da própria vida, por quão bem eles viveram as virtudes – fé, esperança, caridade, prudência, justiça, temperança e fortaleza. “Viver heroicamente as virtudes” – que o Catecismo da Igreja Católica define como “uma disposição habitual e firme para fazer o bem” – é o que faz de alguém um santo”.

E foi exatamente isso que Carlo se esforçou para fazer. Ele tendia a falar demais, então fez um esforço para falar menos. Se ele se percebesse exagerando, ele se esforçaria para comer menos. Todas as noites, ele examinava sua consciência sobre seu tratamento com amigos, professores, pais. “Ele entendeu”, disse sua mãe, “que a conversão não é um processo de adição, mas de subtração”. Uma visão profunda para alguém tão jovem. E assim Carlo trabalhou até para eliminar de sua vida todo vestígio de pecado venial. “Não eu, mas Deus”, ele dizia. “É preciso haver menos de mim para que eu possa deixar mais espaço para Deus.”

Esse esforço o conscientizou de que a maior batalha é com nós mesmos. Uma de suas citações mais conhecidas pergunta: “O que importa se você vencer mil batalhas se não puder vencer suas próprias paixões corruptas?” Esse esforço “para superar os defeitos que nos tornam espiritualmente fracos”, observou Antonia, “é o coração da santidade”. Jovem como era, Carlo sabia que a santidade está “nos nossos esforços para resistir aos instintos corruptos que temos dentro de nós por causa do Pecado Original”.

UM ARREPIANTE ENTENDIMENTO

Claro, perder seu único filho foi uma grande cruz para Antonia. Mas, felizmente, quando ele morreu, ela já havia encontrado o caminho de volta à sua fé e aprendido que “a morte é uma passagem para a verdadeira vida”. Apesar do golpe de saber que perderia Carlo, durante seu tempo no hospital as palavras que ecoavam dentro dela eram as do Livro de Jó: “O Senhor deu, o Senhor tirou: bendito seja o nome do Senhor!” (Jó 1:21).

Após sua morte, Antonia descobriu um vídeo que Carlo havia feito de si mesmo em seu computador. Embora não soubesse nada sobre sua leucemia na época, no vídeo ele diz que quando seu peso diminuísse para setenta quilos, ele iria morrer. De alguma forma, ele sabia. No entanto, ele está sorrindo e olhando para o céu com os braços erguidos. No hospital, sua alegria e paz contradizia um arrepiante entendimento: “Lembre-se”, disse ele à mãe, “não vou deixar este hospital vivo, mas vou lhe dar muitos, muitos sinais”.

E sinais ele tem dado – uma mulher que rezou para Carlo em seu funeral foi curada de câncer de mama sem qualquer quimioterapia. Uma mulher de 44 anos que nunca teve filhos rezou no funeral e um mês depois estava grávida. Muitas conversões ocorreram, mas talvez o milagre mais especial “é o da mãe”, diz Antonia. Durante anos após o nascimento de Carlo, Antonia tentou conceber outros filhos, mas sem sucesso. Após sua morte, Carlo veio até ela em um sonho dizendo que ela seria mãe novamente. Aos 44 anos, no quarto aniversário de sua morte, ela deu à luz gêmeos — Francesca e Michele. Como seu irmão, ambas assistem à missa diariamente e rezam o Rosário, e esperam um dia ajudar na missão de seu irmão.

Quando seus médicos perguntaram se ele estava com dor, Carlo respondeu que “há pessoas que sofrem muito mais do que eu. Ofereço meu sofrimento para Deus, para o Papa (Bento XVI) e para a Igreja”. Carlo morreu apenas três dias após o diagnóstico. Com suas últimas palavras, Carlo confessou que “morro feliz porque não perdi nenhum minuto da minha vida em coisas que Deus não ama”.

Naturalmente, Antonia sente falta do filho. “Sinto a ausência de Carlo”, disse ela, “mas de certa forma sinto Carlo muito mais presente do que antes. Eu o sinto de uma maneira especial — espiritualmente. E sinto também a sua inspiração. Vejo o fruto que seu exemplo está trazendo para os jovens. Isso é um grande consolo para mim. Através de Carlo, Deus está criando uma obra-prima e isso é muito importante, especialmente nestes tempos sombrios em que a fé das pessoas é tão fraca e Deus parece ser desnecessário em nossas vidas. Acho que Carlo está fazendo um trabalho muito bom.”

Graziano Marcheschi

Graziano Marcheschi atua como Consultor Sênior de Programação no Shalom World. Ele palestra nacional e internacionalmente sobre temas relacionados a liturgia e artes, escrituras, espiritualidade e ministério eclesial leigo. Graziano e sua esposa Nancy são abençoados com duas filhas, um filho e três netos, e vivem em Chicago.

Partilhar: